terça-feira, 20 de setembro de 2011





Depois de ter conhecido os desenhos soberbos da Tia Boom Sim (arquitecta residente em Singapura e que podem conferir no site .org dos urbansketchers) senti o impulso de experimentar esses salpicos ou "splashes" que ela tanto usa.

Assim sendo, e depois de algumas experiências com vinho e café directamente sobre o papel, cheguei a uma ou outra conclusão.

Escusado será dizer que a presença a priori das pintas ajudará á construção do desenho, mantendo relações entre os salpicos e o objecto a observar; por outro lado o papel manchado afasta-nos do horror do branco da folha enquanto se constrói um ambiente mais ou menos carregado, mas certamente rico em texturas...

Contudo começo a aperceber-me que esta "técnica" incide sobretudo no lado caótico do desenho, e por isso afasta-o do seu aspecto mais descritivo, o que me agrada. De uma forma pessoalíssima intoxica o desenho numa nuvem que muitas vezes descaracteriza a luz e o seu jogo sábio sobre os volumes.

No entanto ainda muito falta para explorar, espero voltar a dar notícias em breve!
Bons desenhos!

João Jesus

3 comentários:

Pedro disse...

Bonito texto e melhores desenhos.

Jacek Krenz disse...

splashes helps the expression of this excellent sketches!

João Jesus disse...

Thanks Pedro and Jacek! :) Are u both coming to Viseu's sketchkrawl?